Entrevista sobre o WISWOS com Linda O’Keeffe – Interview about WISWOS with Linda O’Keeffe

0 Posted by - 12/11/2017 - #7, ano 4, entrevista, isabel nogueira

  • Entrevista sobre o WISWOS com Linda O’Keeffe para a revista linda.

    Interview about WISWOS with Linda O’Keeffe to linda magazine.

     

    Por Isabel Nogueira

     

     

     

    Português abaixo:

    Abril de 2016.

    Aconteceu na Universidade de Lancaster o WISWOS: Women in sound, women on sound.

    Eu mandei trabalho artístico, junto com Luciano Zanatta e o grupo Medula, e Lilian Campesato esteve presente ao evento (leia aqui o relato de Lilian sobre o evento no site da Rede Sonora).

    Já fazíamos parte da Rede Sonora, eu e Lilian e nós duas, assim como a Rede, nos tornamos apoiadoras do próximo projeto desenvolvido pela rede WISWOS – Research in a box.

    A partir deste contato, comecei a desenvolver um projeto artístico com Linda e ela estará no Brasil em 2018 para trabalharmos presencialmente.

    Para conhecer mais sobre o projeto de educação de meninas através do som e da tecnologia, pensei em fazer esta entrevista, e aqui está:

    ………

    English below:

    April 2016.

    It happened at the University of Lancaster the WISWOS: Women in sound, women on sound.

    I sent an artistic work, with Luciano Zanatta and the Medula group, and Lilian Campesato was there to the conference (here Lilian‘s talk in the Sonora Network about the event):

    We were already part of the Sonora Network, me and Lilian, and we, as well as the Network, became one of the supporters of the next project developed by WISWOS: Research in a box.

    From this contact, I started to develop an artistic project with Linda, and she will be in Brazil in 2018, to work together.

    To learn more about the girls education project in sound and technology, I thought about doing this interview to Linda, and here it is:

     

    1. How the project started?
    2. Who supports the project?
    3. How the project is related to your trajectory and your own work?
    4. Tell me about what do you think for the WISWOS project in the future
    5. Can you send me a little bio and photo to the interview?

     

    English below:

    1. How the project started?

    In 2014 I began a conversation with the composer and researcher Liz Dobson, based in Huddersfield, and founder of the Yorkshire Sound Women Network. We chatted about the continued problem of being one of only a handful of women present at various events on sound and music technology. I started to feel the beginnings of frustration about this, something I had pushed into the back of my mind up until that point. Mainly because I have trained and work as a fine artist whose medium is sound, so I only occasionally entered what seemed like a very male space. Working mainly in sound there are few opportunities to participate in typical art spaces, so you end up showing your work at performance spaces and or music technology conferences. I had observed that there was a much larger crowd of white men than of any other kind of participant, but like a lot of things you start to just see it as the norm, until it becomes normal. It was at this point that I began to think about creating a space that consisted of mostly women, so that for once we didn’t feel like one of a few.

    Also, only the work of women would be shown or discussed. I started to connect with a number of people to help create this symposium of women’s work. This is when WISWOS started to develop its network and most of that network has continued to support the work of WISWOS. Following from the incredibly successful day in 2015 we planned another event and part of our London network began to organise events at Goldsmiths University. After several successful events exploring educating women in sound, making women visible, and select workshops and performances, myself and network member Rebecca Collins decided to develop a toolkit for schools to increase the visibility of women working in all areas of sound and to encourage girls to consider sound and/or music technology as a potential job. This lead to the creation of the Research in a Box: Activating Women in Sound project.

    2. Who supports the project?

    Our project has been supported by Lancaster University, the Lancaster Institute for the Contemporary Arts, the Peter Scott Gallery, The Octopus Collective, Goldsmiths University and by contributions of knowledge from our network members based around the world.

    3. How the project is related to your trajectory and your own work?

    Initially I thought there wasn’t a connection, instead I wanted to change things for others. It’s only as I have delved deeper into feminist theory that I begin to understand some of the influences on my own career. I began to think about how I work with sound, why I have always insisted on keeping a distance from the sound and music technology world. Also, when I look back on my influences the only information I could ever find, or who I was pointed towards were men, and all white western men. There were women, there had always been women, doing things I would have been fascinated to learn about, which might have made me feel more confident about the choices I made as a sound artist. It is now as a teacher and lecturer that I think deeply about who I present as contributors to the field of sound art and contemporary music. Not only women, but women of colour, people of colour, non western contributors to this field. I want to show them the diversity of people in this field. This has had the added benefit of a late shaping of my own practice, thinking about whose work influences me.

    I have also recently started to develop workshops for young girls, teaching them about women in the field, how to use some technologies, but also how to approach sound from a non technological space. I always felt that the way a lot of men talk about sound technology at these conferences and events was grounded in the technology shaping the practice. Instead, as an artist and teacher I focus on concept, engagement with ideas, feelings, memories, histories, as a starting point to work with sound, and technology as the tool to make this audible. I want them to feel comfortable with technology, but to not make it the centre of their understanding of what they can do with sound. In working this way I start to feel that I can be more open about my practice, more honest about my feelings about technology, to feel that it is okay to focus on concept over technology.

    4. Tell me about what do you think for the WISWOS project in the future

    Right now the future goal is to encourage schools to use our toolkit, to start to make changes in how they teach technology based subjects in general. We also want to work closely with teachers and educators and start to explore how we take a more gendered balance to teaching. For my own practice I want to start working with women around the world examining the ways in which they make sound and music with technology in worlds where the field is still dominated by male histories. This is not a men against women issue, this is a social structure problem, and more recently it has become evident that the exclusion of women has shaped everything from the film industry to political powers. Change must start at the top, but it takes women and men standing together at the bottom stating that they want change, for things to happen. WISWOS is one of those organisations that stands at the bottom trying to effect change through as many interventions as we can, whether this is through more events, exhibitions, toolkits or publications.

    5. Can you send me a little bio and photo to the interview?

    Dr. Linda O Keeffe is a sound artist based in Lancaster, England.
    She is a lecturer in sound art and design at the Lancaster Institute of Contemporary Art at Lancaster University. She has performed and exhibited in Asia, the USA, Canada and Europe. Recent work include the group exhibition Sounds Like Her at the New Art Exchange Gallery in Nottingham in October 2017. Her written publications include, ‘Thinking Through New Methodologies-Sounding out the city with teenagers’ and ‘Memories of sound: socioeconomic, community and cultural soundscapes of Smithfield, Dublin from the 1950s’ (2016). In 2015 she was a recipient of the Information Knowledge Exchange Award.

    ……………………………………………………………………………………………………………………………………………..

    Português abaixo:

     

     

    1. Como o projeto começou?

    Em 2014, comecei uma conversa com a compositora e pesquisadora Liz Dobson, que atua em Huddersfield e é fundadora da Yorkshire Sound Women Network. Conversamos sobre o contínuo problema de ser uma das únicas mulheres presentes em vários eventos de som, música e tecnologia. Comecei a sentir um começo de frustração sobre isso, algo que eu tinha empurrado para trás da minha mente até esse ponto. Principalmente porque eu estudei e trabalhei como uma artista visual utilizando o som como mídia, então eu apenas ocasionalmente entrei no que parecia ser um espaço muito masculino. Trabalhando principalmente em som, existem poucas oportunidades para participar de espaços de arte típicos, então você acaba mostrando seu trabalho em espaços de performance e conferências de tecnologia de música. Eu tinha observado que havia uma multidão muito maior de homens brancos do que de qualquer outro tipo de participante, e isto foi como muitas coisas que você começa a ver apenas como a norma, até que se torna normal.Foi nesse ponto que eu comecei a pensar em criar um espaço que consistiria em sua maioria de mulheres, de modo que, por uma vez, não nos sentimos como uma das poucas presentes nos lugares.

    Além disso, apenas o trabalho das mulheres seria mostrado ou discutido. Comecei a me conectar com várias pessoas para ajudar a criar este simpósio sobre o trabalho de mulheres. Foi quando WISWOS começou a desenvolver sua rede e a maior parte dessa rede continuou a apoiar o trabalho do WISWOS. Após o incrivelmente bem-sucedido dia em 2015, planejamos outro evento e parte da nossa rede de Londres começou a organizar eventos na Goldsmiths University. Depois de vários eventos bem-sucedidos explorando a educação das mulheres no som, tornando as mulheres visíveis e selecionando oficinas e performances, eu e Rebecca Collins, também membra da rede, decidimos desenvolver um conjunto de ferramentas para as escolas para aumentar a visibilidade das mulheres que trabalham em todas as áreas do som e encorajar as meninas para que considerem a tecnologia de som e / ou a tecnologia da música como um trabalho potencial. Isso levou à criação do projeto Research in a Box: Activating Women in Sound.

    2. Quem apoia o projeto?

    Nosso projeto está sendo apoiado pela Universidade de Lancaster, pelo Lancaster Institute for Contemporary Arts, Peter Scott Gallery, The Octopus Collective, Goldsmiths University e contribuições de conhecimento de nossos membros da rede baseados em todo o mundo.

    3. Como o projeto se relaciona com a sua trajetória e com o seu trabalho?

    Inicialmente, pensei que não havia uma conexão, em vez disso, queria mudar as coisas para os outros. Foi somente quando me aprofundei na teoria feminista que comecei a entender algumas das influências na minha própria carreira. Comecei a pensar sobre como eu trabalho com som, por que sempre insisti em manter uma distância do mundo da tecnologia do som e da música. Além disso, quando olho para trás vendo minhas influências, a única informação que eu poderia encontrar, ou em quem eu estava focando eram homens e todos os homens ocidentais brancos.

    Havia mulheres, sempre houveram mulheres, fazendo coisas que eu teria ficado fascinada em aprender, o que poderia ter me feito sentir mais confiante sobre as escolhas que fiz como artista sonora. É agora, como professora e palestrante que eu penso profundamente sobre quem eu apresento como contribuição para o campo da arte sonora e da música contemporânea. Não apenas mulheres, mas mulheres de cor, pessoas de cor, contribuições não-ocidentais para este campo. Quero mostrar-lhes a diversidade das pessoas neste campo. Isso teve o benefício adicional de uma moldagem tardia da minha própria prática, pensando em quais trabalhos me influenciam.

    Comecei também recentemente a desenvolver oficinas para jovens mulheres, ensinando-as sobre as mulheres no campo, como usar algumas tecnologias, mas também como abordar o som a partir de um espaço não tecnológico. Eu sempre senti que a maneira como muitos homens falam sobre tecnologia de som nestas conferências e eventos foi fundamentada na tecnologia moldando a prática. Em vez disso, como artista e professora, foco no conceito, no engajamento com as ideias, sentimentos, memórias, histórias, como ponto de partida para trabalhar com som e tecnologia como ferramenta para tornar isso audível. Eu quero que elas se sintam confortáveis com a tecnologia, mas não a tornem o centro de sua compreensão do que podem fazer com o som. Ao trabalhar desta forma eu começo a sentir que posso ser mais aberta sobre minha prática, mais honesta sobre meus sentimentos sobre a tecnologia, para sentir que é bom concentrar-se no conceito sobre a tecnologia.

    4. O que você projeta para o WISWOS no futuro?

    Neste momento, o objetivo futuro é incentivar as escolas a usar o nosso kit de ferramentas, para começar a fazer mudanças na forma como ensinam temas baseados em tecnologia em geral. Também queremos trabalhar em estreita colaboração com professores e educadores e começar a explorar uma forma de termos um ensino mais equilibrado no que se refere à questões de gênero.
    Para a minha própria prática, quero começar a trabalhar com mulheres em todo o mundo examinando as formas como produzem som e música com tecnologia em mundos onde o campo ainda é dominado por histórias masculinas. Esta não é uma questão de homens contra mulheres, trata-se de um problema de estrutura social e, mais recentemente, tornou-se evidente que a exclusão das mulheres moldou tudo, desde a indústria cinematográfica até os poderes políticos. A mudança deve começar no topo, mas é preciso que as mulheres e os homens estejam juntos no final, afirmando que eles querem mudar, para que as coisas aconteçam. O WISWOS é uma dessas organizações que está, ao final, tentando efetuar mudanças através de tantas intervenções quanto possível, seja por meio de mais eventos, exposições, kits de ferramentas ou publicações.

    5. Biografia

    Dra. Linda O’Keeffe é uma artista sonora que vive em Lancaster, na Inglaterra. Ela é professora em arte e design de som no Lancaster Institute de Arte Contemporânea da Universidade de Lancaster. Ela fez performances e exposições na Ásia, EUA, Canadá e Europa.Seu trabalho recente inclui a exposição coletiva Sounds Like Her na New Art Exchange Gallery em Nottingham em outubro de 2017. Suas publicações escritas incluem: “Pensando através de novas metodologias – Soando a cidade com adolescentes e” Memórias de som: paisagens sonoras, socioeconômicas, comunitárias e culturais de Smithfield, Dublin a partir da década de 1950 (2016). Em 2015, ela recebeu o Information Knowledge Exchange Award.

     

    Continue lendo!

    No comments

    Leave a reply

    Full Screen Popup Powered By : XYZScripts.com