#7, ano 4, editorial

0 Posted by - 12/11/2017 - #7, ano 4, editorial

  • Olá sonoros e sonoras deste mundo!

    A linda deste mês está aberta e em diálogo. Nela temos textos-pontes entre pessoas e mundos. São pontes geográficas que trazem notícias de conferências internacionais, diálogos com mulheres além mar, e conversas entre mundo físico e virtual, entre o sonoro e o visual.

    O alô entre som e imagem está por conta do artista visual convidado desta edição, o pesquisador Henrique Rochaque além do trabalho visual, trabalha com os temas da escuta e do som no âmbito da crítica e do engajamento participativo. Ele escolheu as ilustrações que configuram esta linda em diálogo com os temas dos textos.

    Rodolfo Valente conta pra gente como foi a conferência dedicada à espacialidade sonora, Sounding Out The Space realizada em Dublin, Irlanda. Durante três dias, artistas sonoros investigaram uma zona híbrida de trabalhos voltados para som e espaço como: arquitetura, arte sonora, audiovisual, curadoria de exposições, design de espaços e muitos outros tópicos. Valente ainda comenta som e espaço urbano, além de refletir sobre uma política da escuta.

    E a resenha desta edição fica por conta do Henrique Iwao, que volta pra sua coluna, desta vez com o álbum Eccojams vol.1 atribuído a Chuck Person e criado por Daniel Lopatin em agosto de 2010. No entanto, este trabalho possui versões diferentes no youtube. Segundo Iwao, o disco discute dois temas, a primeira é evitar a tendência de encarar a música que gostamos como anti-capitalista, e a segunda, é qualificar melhor a idéia de fantasmagoria do gênero do disco. Nele, músicas são ralentadas e descaracterizadas de seus gênero pop inicial, criando texturas, além de serem trabalhadas em glitches poltergeisterianos.

    Mulheres falam sobre som e mulheres no som, é com esta proposta que Isabel Nogueira entrevista Linda O’Keeffe, pesquisadora, artista sonora de Lancaster, Inglaterra. No bate-papo, O’Keefee conta sobre o WISWOS: Women in sound, women on sound e suas perspectivas para o ensino da matéria sonora em escolas e incentivar mulheres no som em um plano mais amplo. Isabel também assina Não EstaTudo Bem Assim: dos Mecanismos de Exclusão Introjetados e de Como Pensar Sobre Isto não é uma Tarefa Apenas das Mulheresalém do título praticamente auto-explicativo, ela discute a questão da existência de um gênero neutro, e como essa neutralidade torna invisível o que existe além dele.

    Enquanto o ano não acaba, seguimos lendo e ouvindo…

    Boas leituras!

    Flora Holderbaum e Alessa

    No comments

    Leave a reply

    Full Screen Popup Powered By : XYZScripts.com