Música de um, música de dois.

0 Posted by - 24/05/2015 - #5, ano 2, lucas rodrigues ferreira

  • Música de um, música de dois.

    Tenho achado ultimamente que tem música de um e música de dois, e são quase formas diferentes de arte.

    Música de um treco contra outro treco, ou música de um treco só.
    Se tem um treco só é porque não contém outro negócio.
    Se tem um treco só a totalidade daquele universo criado é aquilo e a gente tem que achar outro treco contido?

    Música folclórica que é uma melodia; música de contraponto que são duas+
    Música clássica que são dois temas – toca uma coisa, depois toca a outra, e vai e volta – que nem a 5a Sinfonia do Beethoven.
    Música que é uma coisa só que nem as coisas do J.-P. Caron:

    Música que é uma coisa só e é uma surpresa saber que aquela conjectura continha, sim, outra possibilidade. Morton Feldman pregando a composição como disciplina, depois pregando o fazer artístico com o apagar dos dez primeiros compassos. Kafka começando o texto no meio.

    E ainda, a dificuldade imensa de se criar uma contingência sonora que abarque tanto músicas tocadas por uma pessoa só quanto músicas tocadas por mais de uma pessoa.

    Na primeira, a dificuldade é física. De preencher espaços.
    Na segunda, a dificuldade é a de não preencher espaços?

    A música de um treco só é fé no som? “Achei o som certo”?
    Imagine um cubo que se esfacela quando não está preenchido, e imagine a força bruta constante que se deve aplicar para que ele se mantenha. Uma música que quando só tem uma nota é fortíssimo e quando tem várias é nem tanto? Ou uma música que só admite uma nota! O cubo se contenta porque nele só cabe um. Eu nunca especifiquei o tamanho do cubo.

    lucas

    Continue lendo!

    No comments

    Leave a reply

    Full Screen Popup Powered By : XYZScripts.com