procurar_não_encontrar_fruir(online)

2 Posted by - 23/02/2015 - #2, ano 2, caio kenji

  • sentado ao computador: abre o browser, aperta “y”, o programa já sabe das suas “preferências” e apresenta um site de vídeos. procura sem muita exatidão sobre algo que ouviu falar por cima durante uma conversa durante o dia, não encontra, sabe que não, mas acessa o que parecer estar mais próximo daquilo, certo de que de alguma forma chegará no objeto desejado. o vídeo “errado” começa, não presta atenção, ao invés disso rola a tela para ver sugestões que um algoritmo nos dá para ver se encontra o que procurava, não encontra, mas a colcha de retalhos dos títulos das sugestões formam um conjunto de ideias mais coerentes com o que se procurava, não encontra o que procurava, sabe que não, mas sente-se mais próximo, acessa um palpite otimista. o vídeo “menos errado” começa, verifica-se se ele é de fato “menos errado”, “errado” ou “certo”, é “errado”, mas a colcha de retalhos continua coerente, outro palpite otimista. um vídeo “mais errado” começa, percebe de pronto, manda “voltar”. o vídeo “errado”, que antes pensou-se erroneamente ser “menos errado” (e que depois do “mais errado” se fez parecer “menos errado” de novo), recomeça, mas não importa pois o foco é encontrar nessa colcha outro palpite, um melhor, ou ao menos um tão “menos errado” quanto o atual, muitos podem ser, escolhe um ao acaso. “mais errado”, “voltar”. uma porção de “mais errados”, desiste dessa colcha, “voltar”, “voltar”, “voltar”. agora, com os retalhos “menos errados” das colchas “erradas”, faz uma nova pesquisa inexata, muitos resultados, nada promissor, um palpite ao acaso. o vídeo começa, acha interessante apesar de “errado”, divaga sobre o “errado interessante”, adianta o vídeo para o meio, é tão interessante quanto, portanto, menos interessante, vai ao final, não consegue entender, volta um pouco para juntar informações para que o final faça sentido, o video passa a ser “errado muito interessante”. no browser, aperta “f”, compartilha o “errado muito interessante”, o amigo com quem conversara de tarde curte, lembra que nessa conversa é que o assunto que buscava minutos antes em “y” fora mencionado, manda uma mensagem perguntando, no entanto o faz usando termos “menos errados” da colcha que ele formou de retalhos das colchas “erradas”, o amigo não entende, repete a pergunta com termos variados, o amigo não visualiza a mensagem. volta para “y” para continuar tentando achar o que se procurava enquanto o amigo em “f” não responde, tenta do início com os mesmos termos usados na recente pergunta ao amigo, muitos resultados, um parecido com um “errado muito interessante de ontem”, confia que o amigo vai saber do que se trata a pergunta (o que torna a pesquisa inútil por ora) e abre o vídeo relacionado ao “errado muito interessante de ontem”, o amigo visualiza a mensagem três horas mais tarde.

    Caio Kenji

    Continue lendo!

    No comments

    Leave a reply

    Full Screen Popup Powered By : XYZScripts.com