canção estrutura canção voto de nulidade

3 Posted by - 25/01/2015 - #1, ano 2, lucas, lucas rodrigues ferreira

  • Tenho feito canções e é difícil conceder ao senso comum.
    Quando se propõe a algo que já existe aceita-se que aquilo existe.
    Digo obviedades porque tentei não ser óbvio.
    Quando se é compositor se busca o tão falado novo – o que é um som novo?

    1) Tem uma música e tem alguém cantando.
    2) Tem um poema.
    3) Tem pessoas fazendo barulhos com a boca.

    Ou:

    1) Tem um refrão e ninguém cantando.
    2) Tem guitarras demais pra ser outra coisa.
    3) Parece música que geralmente é cantada.

    Ou:

    1) Eu me comprometo a fazer acordes maiores se assim for melhor pra cantar junto.
    2) Eu aceito que os barulhos que eu gosto são fundo e as formalidades (letra, acordes maiores) são figura.
    3) Eu sei que é o fundo que caracteriza minhas opções estéticas. A figura é o superego. O fundo é as outras coisa. João Gilberto zen. John Cage não-Zen.
    4) Canção como entrega, recompensada por clareza (imagética ou literária – conjuração ou correlações).

    Continue lendo!

    No comments

    Leave a reply

    Full Screen Popup Powered By : XYZScripts.com